Sunday, April 9, 2017

What if Jesus Had Been Accepted as the Messiah?

What if Jesus Had Been Accepted as the Messiah?
Based on the article of HOWARD KAINZ 


Jesus was crying for the people of Jerusalem. He had come to save them, but most were not willing to be saved. Even though they had rejected him and his salvation, he had compassion on them.

Various Scriptural passages indicate that Jesus, before his trial and execution, had hoped for a very different outcome of his sojourn on earth:
“Jerusalem, Jerusalem, you who kill the prophets, and stone those sent to you, how many times I yearned to gather your children together, as a hen gathers her young under her wings, but you were unwilling!” (MT 23:37).
St. John Chrystostom paraphrases the Lord’s lament: “Even these murders of yours would not have alienated Me from you, but I would have taken you to Me, not once or twice, but many times.” This passage, and a passage from Luke, “If only you had known, in this day, the things that are to your peace; but now they are hidden from your eyes” (LK 19:42 ) – indicate that there was a “Plan A,” which turned out to be unworkable, because of contingencies, and due to the ignorance of the Jewish leaders (Act 7: 51-53) and now had to be replaced by “Plan B.”
Plan A, of course, would have involved acceptance by the Jews of Jesus’ messiahship. One can imagine this taking place, in spite of the distrust and rumblings of the powers-that-be in Jerusalem at that time.  Jesus had secret disciples like Nicodemus and Joseph of Arimathea, and no doubt a substantial minority of the scribes and Pharisees (probably including the Pharisees who warned Jesus about dangers from Herod (Lk. 13:33) or the ones mentioned in Acts 15:5 as converted after the Resurrection) were seriously considering the claims of this carpenter from Nazareth. It could have happened that one or more of these interested but timid persons may have “gone public” suggesting to their confreres that Jesus might be the Anointed One, and that the authorities should avoid moving precipitously to hostile measures.
Eventually a growing majority in the Sanhedrin, heartened by the fact that Jesus was incredibly meek like Moses, who was the “meekest man on earth” (Num. 12:3), and had promised not to abrogate the Mosaic law, but to fulfill it, might have been able to temper the opposition.  They might also have taken to heart his admonitions about misunderstanding the Sabbath, and about the subordination of cleansing rituals, etc. and became attentive to the more substantial elements of the law.
The prophecies of Isaiah 9, 11, 60 and the revelation of the angel Gabriel in Lk 1: 31-33 were for “Plan A” and 
Isaiah 53 for “Plan B” and other prophets indicating that the Messiah would be a “suffering servant” and spurned were not irrevocable.  
As in the case of the predictions of the prophet Jonah about the destruction of Nineveh, God is always hopeful that a change of heart will take place, so that impending punishments will be called off.  Free will, both for the individual and for peoples, is always of the essence. It was not fated that so many Jews should fail to recognize their Messiah.
So, what would have happened if Plan A were implemented, and Jesus was able to gather the children of Jerusalem “under his wings?” St. Cyril of Alexandria interprets “under his wings” as meaning “under the shelter of his power.” The Messianic expectations at the time were well expressed by the crowd that came together at Jesus’ Ascension: They asked him, “Lord, are you at this time going to restore the kingdom to Israel?” (Acts 1:6).  Israel at that time was under the hegemony of the Roman Empire, with only a puppet king. Would Jesus somehow bring about the culmination of the Davidic kingship in such an unlikely context?
What would have been the “things that are to your peace” (Lk. 19:42), that Jesus regretfully wishes would have been implemented? St. Theophilus of Antioch interprets Jesus as telling the Jews that he would have freed the Jews from oppression by the Romans: “I came to visit and to save you, which if you had known and believed on Me, you might have been reconciled to the Romans.” How would such a reconciliation take place?  If Jesus, son of David, were honored as king of the Jews, rather than Herod Antipas, appointed by the Romans as Jewish king, certainly a different mode of “kingship” would start to prevail in Israel.

Would the “Star of David” become the prevailing symbol of Christianity? 
Certainly the religion that would worship God “in spirit and truth” (Jn. 23-24) would be much more Jewish in appearance than present-day Christianity – not just the candles, the tabernacle, priestly vestments, liturgical borrowings, etc.
Presumably, if peace with the Romans had ensued, the Temple in Jerusalem would have been protected under the power of the Messiah from destruction in 70 A.D.  In the Temple unbloody sacrifices might still be offered, after the pattern of the sacrifice of fruits, grain and wine already offered by Jews in addition to the sacrifice of animals.
Most important, however, we should consider the fact that there was a Plan A as well as a Plan B. This offers us evidence of the continuing sort of dialogue that God carries out with the world – God is desirous of pouring out all manner of benefits, but depends almost rigidly on free-will cooperation and making adaptations in response to both individual and group decisions.

If St. Paul’s prediction in Romans 11:25-26 that the Jews will finally be converted after the Gospel has been preached to the whole world, something like Plan A may eventually be implemented after all, at some time in the future when Jesus’ compatriots proclaim, “blessed is he who comes in the name of the Lord.” The vision of Isaiah 60:1 of Jerusalem as the “light of the world” may then be finally implemented.

http://www.crisismagazine.com/2012/what-if-jesus-had-been-accepted-as-the-messiah

Monday, February 20, 2017

Vinho Novo Sobrenatural

Vinho Novo Vinho Sobrenatural

Eu vou beber do vinho sobrenatural
Quero transbordar
Vinho novo
Vinho novo
Vinho novo

Vinho sobrenatural 




O Vinho Novo Sobrenatural representa o Vinho distribuído pelo Senhor da Segunda Vinda no Últimos Dias, na volta de Jesus (Cristo), na ceia das Bodas do Cordeiro - Ap 19: 7-9. 

Representa também o "Sangue do Cordeiro" que lava o pecado original do Jardim do Éden e que restaura o direito à Arvore da Vida - Ap 22: 7.  

Esta providencia de Deus começou na Terra em 1960 quando foi revelado e proclamado o Nome dos Verdadeiros Pais. 


Thursday, February 25, 2016

Preparação para a Segunda Vinda do Cristo


O Pr Gary Ham pregou sobre "O Sacerdócio do crente" na Igreja da Paz de Santarém, em Dez 2015, baseado no versículo em Dt 10: 8.
Ele começou para lembrar que o momento mais importante da historia de toda a humanidade é a Segunda Vinda de Jesus Cristo, é o evento o mais esperado e preparado por Deus, os anjos, os santos no mundo espiritual e todos na Terra e no Céu estão numa grande expectativa para este evento cósmico. 

Segue o comentário que deixei no Youtube:

Excelente pregação cheia do Espirito Santo...!!! Infelizmente os
crentes de hoje na grande maioria não estão bem preparados... Da
mesma forma que os crentes e os líderes da época de Jesus
falharam a reconhecer Jesus como Messias. (Mt 11: 3); as
doutrinas convencionais elaboradas ao longo dos séculos a partir
de varias interpretações, desde Paulo que não conhecia Jesus
pessoalmente, passando para sucessões de teólogos e
pensadores... Vão ser um grande obstáculos e dificuldades para
aceitar a "Volta de Jesus" ... Precisamos além de praticar todos os
pontos que Pr Gary pregou, cultivar um coração humilde e buscar
a inspiração Divina ... e estudar o Princípio Divino 
http://pt.slideshare.net/chrislepel/exposicao-do-pd-1-hora que é a
preparação essencial para entender e saber interpretar como
acontecerá Ap. 19: 7; 21: 1 e 22: 14... 


Saturday, February 7, 2015

Célula ou Home Group de sucesso

 1a Conferência interna da visão do MDA – 29 a 31 de Jan 2015
Igreja da Paz – Barueri
Célula de sucesso
Participar de uma célula ou home group, onde o Amor de Deus é o centro da reunião, é sensacional! Líderes, auxiliares, anfitrião e os membros da célula estão sempre empolgados e motivados numa atmosfera de fé e alegria, conduzem a reunião de maneira prática e simples aonde o amor de Deus vai envolvendo a todos, e faz com que os visitantes queiram voltar sempre.
Reconhecemos que não há regras para desenvolver a célula, não podemos sistematizá-la, queremos que o Espírito de Deus fique livre para agir quando e como Ele quiser. Ao mesmo tempo queremos dar algumas boas sugestões que irão lhe ajudar a organizar sua célula. (Duração de 1h30 min, incluindo a confraternização).
1.        Preparo prévio do ambiente da célula (Iluminação, cadeiras em círculo, portão e portas
abertas, animais presos);
2.     Recepcionar bem, membros e visitantes (atender todos de forma extremamente
amistosa e extravagante);
3.        Escolha adequada do louvor;
4.     Descontração/Quebra-gelos (brincadeiras, e perguntas abertas/ fechadas reflexões);
5.        Estudo da palavra (é necessário que o líder esteja preparado para ministrar na célula); Desenvolver a Folha de estudo com simplicidade, deve ser feito através das perguntas e com tempo máximo de 25 minutos, não falar outro assunto;
6.     Testemunho (incentivar as pessoas a verbalizarem o que Deus tem feito através da
célula e no discipulado. Pode aproveitar o momento da visão)
7.     Repassar a visão com entusiasmo, pelo menos uma vez no mês; Em toda reunião da
célula deve-se falar a respeito da multiplicação.
8.     Oração pelos 3 Natanaéis (festa dos Natanaéis mensal - João 1:43-51); Oração por   
       necessidades individuais (cura e libertação e aplicar o "Uns aos outros". Líder, não
       tenha medo do silêncio. Pedidos de Oração)
9.        Encerramento (pode tocar um louvor e orar pelo assunto da palavra);
10.     Quilo do Amor;
11.  Barnabear/Comunhão (É muito importante evitar uma atmosfera de "panelinha" ou
"rodinhas" exclusivas entre os irmãos, pois isso pode constranger os novos convertidos
e os visitantes, devemos dar atenção a todos indistintamente.
Obs: 40% da Comunhão acontece na célula, e 60% acontece fora da célula (isto inclui manhãs alegres, esportes, retiros, excursões, trilhas, aniversários, etc.).
12.  Tempo - Ficar com gostinho de quero mais. A Célula deve acontecer em 1:30 minutos

        Matéria baseada e adaptada do relatório do Líder da Rede Azul – 154 células       

        Boa Célula!                      http://tinyurl.com/nupucak

Tuesday, January 6, 2015

As Células de Evangelização e o Crescimento da Igreja

As Células de Evangelização e o Crescimento da Igreja



Autor: Pierre-Alain Giffard (Ph.D.) é um pai de família, especialista na organização pastoral das igrejas para incentivar o crescimento. Ele trabalha para a Diocese de St. Boniface no Canadá como Diretor de Serviços Pastorais.
           
As Células de Evangelização são um dos fatores que promovem o maior crescimento da Igreja[1]. Mas o que são células de evangelização? O que as distingue dos pequenos grupos na Igreja? Como as estabelecer? O documento, sob a forma de "perguntas mais frequentes" responde a estas perguntas e apresenta vários princípios subjacentes a esta estrutura da igreja.

    1)      O que é uma célula de evangelização?

Uma célula é um grupo de 6 a 16 pessoas que se reúnem em casa, a fim de discipular novas pessoas, para socializar e confraternizar, para crescer espiritualmente e para treinar facilitadores e líderes. O objetivo do grupo é crescer e multiplicar-se. Sua missão inclui  diferentes funções:

      1)      Evangelismo: a primeira função da célula é o compromisso de proclamar o evangelho e o Princípio Divino[2]. Seus membros procuram alcançar as pessoas da comunidade que não são cristãs ou indiferentes à fé. Eles permitem-lhes a descobrir o Evangelho e convidá-los a participar da célula, onde eles estão, no momento certo, convidados a acolher o Cristo.

      2)      O crescimento espiritual dos membros: Ao mesmo tempo em que buscam conhecer e amar a Cristo no meio deles, os membros da célula estão trabalhando para seu próprio crescimento espiritual através da leitura diária da Palavra de Deus e a oração.

      3)      A participação na missão: Os membros de uma célula discernem os dons das pessoas que se juntam ao grupo e oferecem atividades missionárias, tanto na comunidade cristã, ou outro movimento, uma atividade caritativa, etc. Os convertidos são estimulados a comunicar a Boa Nova ao redor deles (oikos).

      4)      Multiplicação: O Facilitador[3] de uma célula incentiva os membros do grupo para constituírem a sua própria célula e os capacita nesse sentido. Quando uma célula cresce, multiplica-se para formar um novo grupo.





[1] Esta afirmação baseia-se na pesquisa do Movimento para o crescimento da Igreja, que, como o próprio nome sugere, estuda os fatores que promovem o crescimento das comunidades cristãs. Este movimento é composto por um conjunto de profissionais e teólogos de várias denominações cristãs, que estudam os elementos que promovem o desenvolvimento das igrejas.
[2] O Evangelismo tem como objetivo a fazer nascer no coração do não-crente, do indiferente ou de um membro de outra religião, um interesse no Evangelho e no Princípio Divino, então, ajudar a fazer uma escolha, para tomar uma decisão firme no que diz respeito de Cristo. Esta opção para a fé é através da ação do Espírito Santo e da proclamação da Boa Nova. O testemunho leva à conversão inicial é a adesão a Cristo e o desejo de andar em seus passos.
[3] Há vários nomes para designar a pessoa responsável pelo grupo que seja facilitador, líder, pastor, etc. As próprias células podem ter nomes diferentes: células de evangelização, pequenos grupos, igreja do lar, Home Grupo etc.

Tuesday, February 25, 2014

O Que é o Discipulado Um a Um?

O discipulado um a um, como o Espírito Santo tem mostrado ao Pastor Abe, é uma das grandes revelações para a nossa geração. O poder transformador dos dois envolvidos, do discípulo e do discipulador. É o instrumento mais poderoso que conhecemos para gerar uma igreja crescendo em quantidade e em qualidade. 

Saturday, January 4, 2014

Deus anima Abrão e promete-lhe um filho

Deus anima Abrão e promete-lhe um filho

Gênesis 15: 5 – 6 - Então o levou fora, e disse: Olha agora para os céus, e conta as estrelas, se as podes contar. E disse-lhe: Assim será a tua descendência.
E creu ele no Senhor, e imputou-lhe isto por justiça.

Quando Abraão se tornou um errante, ele estava miserável, viajando sem rumo com sua família no deserto. No entanto, sob aquelas circunstâncias Deus lhe deu esta bênção: "Conta as estrelas, se você é capaz de contá-las. Assim será a tua descendência." Só um louco ou um homem de aventura poderia aceitar essa bênção e sustentar sua fé. Abrão sofreu muito, quase perdeu sua esposa e todos os seus bens e parentes para o Faraó, no Egito. No entanto, ele nunca, nunca desistiu de sua fé e de acreditar na bênção de Deus. Nada poderia mudar a sua convicção, e ele viveu plenamente essa convicção, em última instância, recebendo a bênção prometida de Deus. Qualquer um que apenas se senta e espera por Deus para cuidar de tudo, nunca irá encontrar a bênção de Deus.[1]

Versos 9 ao 11: E disse-lhe: Toma-me uma bezerra de três anos, e uma cabra de três anos, e um carneiro de três anos, uma rola e um pombinho.
E trouxe-lhe todos estes, e partiu-os pelo meio, e pôs cada parte deles em frente da outra; mas as aves não partiu.
E as aves desciam sobre os cadáveres; Abrão, porém, as enxotava.

A história revela que o sangue deve ser derramado sempre antes de uma oferta pode ser feita para Deus. Portanto, tudo o que era sacrificado era morto e cortado pela metade, para garantir que a parte que representava o bem foi separada da parte que representava o mal a fim de que Deus possa reivindicá-la. Você já sabe que as ofertas de Abraão eram uma novilha, um carneiro e um bode que foram cortados ao meio e as aves não foram cortadas.

No ideal da criação nenhum derramamento de sangue deveria ter sido necessário, mas por causa da Queda que introduziu o sangue de Satanás, o derramamento de sangue foi necessário, a fim de restaurar a posição original. É por isso que vemos ao longo da história sacrifícios foram ofertados matando animais.

Ao instruir o homem a derramar o sangue de animais, Deus poderia começar a restaurar o homem, sem derramamento o sangue dos homens. Esses sacrifícios serviram como uma condição, o mais importante era a separação, ou purificação da oferta do domínio satânico, que é o propósito de restauração. O cordeiro é o símbolo da obediência e a pomba é o símbolo da paz, por isso esses animais foram selecionados. O sumo sacerdote é aquele que mata esses animais, e para que essa oferta seja uma condição válida e aceitável, eles têm que ser completamente obediente ao sacerdote.[2]

Versos 12 e 13 - Ao pôr do sol, Abrão foi tomado de sono profundo, e eis que vieram sobre ele trevas densas e apavorantes.
 Então o Senhor lhe disse: "Saiba que os seus descendentes serão estrangeiros numa terra que não lhes pertencerá, onde também serão escravizados e oprimidos por quatrocentos anos.

Porque Abraão não cortou a pomba em dois como devia, aves de rapina desceram e invadiram a oferta. Como resultado de seu erro, os israelitas foram destinados a entrar no Egito e sofrer aflições por quatrocentos anos. Por que foi um pecado não cortar as aves ao meio?

Investiguemos primeiramente a razão pela qual Abraão foi instruído para cortar as ofertas ao meio. A Providência da Salvação de Deus aponta na direção da restauração da soberania do bem, primeiramente dividindo o bem e o mal, e depois, destruindo o mal e exaltando o bem. Esta é a razão pela qual Adão foi dividido em Caim e Abel antes que a oferta pudesse ser feita. Esta também é a razão pela qual, nos dias de Noé, Deus pretendia destruir o mal através do julgamento pelo dilúvio, e preservou a família de Noé como sendo do bem. Deus pediu para Abraão cortar as ofertas ao meio antes de oferecê-las com a intenção de realizar a providência simbólica de separar o bem e o mal, que havia sido deixada incompleta por Adão e Noé.

Por que não dividir a oferta foi um pecado?

Primeiramente, 
não dividir a oferta tinha como significado não dividir Caim e Abel. Sem dividir, a oferta não poderia ser aceita por Deus porque não fornecia um parceiro-objeto de tipo Abel que Ele pudesse tomar para Si. Conseqüentemente, o erro que Caim e Abel haviam cometido em suas ofertas não foi restaurado.

Segundo: não dividir a oferta significou a repetição da falha da Providência no tempo de Noé, quando o bem e o mal permaneceram juntos, apesar do dilúvio. Como a família de Noé, Abraão também falhou na divisão da oferta, privando Deus de Seu parceiro-objeto do bem. Assim, repetiu o erro que causou a falha na Providência do dilúvio.

Terceiro: não dividir a oferta significou que não havia condição simbólica para separar o reino da boa soberania de Deus do universo sob a má soberania de satanás.

Quarto: porque o sangue da morte não foi retirado da oferta, e não dividi-la significou que esta não podia ser uma oferta santificada aceitável a Deus.

Em outras palavras, quando Abraão ofereceu as aves sem primeiramente tê-las dividido, significou que ele ofereceu algo que não havia sido retirado da posse de satanás. Seu erro teve como efeito a reivindicação da posse das ofertas por parte de satanás.[3]

O erro de Abraão ao fazer a oferta simbólica permitiu a invasão da mesma. Todas as condições que Deus pretendia restaurar através da oferta foram perdidas. Como consequência, os descendentes de Abraão tiveram que sofrer opressão e escravidão por quatrocentos anos no Egito. Investiguemos a razão desse fato. 

Deus chamou Abraão e ordenou que fizesse a oferta simbólica como a conclusão do período de quatrocentos anos para a separação de satanás. Este período havia sido estabelecido para restaurar por indenização as dez gerações de Adão até Noé, e o período de quarenta dias do julgamento pelo dilúvio, perdidos para satanás devido ao pecado de Cam. Era também o período de indenização necessário para estabelecer Abraão como o pai da fé depois que ele completasse a oferta simbólica.

Quando o erro de Abraão na oferta simbólica permitiu a satanás reivindicar a oferta como sua, esse período de quatrocentos anos também foi perdido para satanás. Para re-criar em nível nacional a situação anterior ao erro de Abraão na oferta simbólica, que correspondia à situação de Noé quando foi chamado para construir a arca, Deus estabeleceu um outro período de quatrocentos anos para a separação de satanás. Durante aquele período, os israelitas estiveram como escravos no Egito. Suportando aquela situação durante todo o período, os israelitas deviam restaurar — desta vez em nível nacional — as situações de Noé e Abraão no início de suas missões como pais da fé, como também estabelecer o fundamento para Moisés iniciar sua missão. Assim, o período de escravidão no Egito foi o tempo em que os israelitas foram punidos pelo erro de Abraão e também o tempo em que estavam estabelecendo o fundamento para cortar sua ligação com satanás e começar a nova providência de Deus.[4]



[1] MOON Sun Myung -  O Caminho da Religião e a Vontade de Deus- Discurso – 24 de Abril de 1977
[2] MOON Sun Myung – O Dia da Criação – Discurso – 6 de junho de 1978
[3] Exposição do Princípio Divino - Pag. 231-232
[4] Exposição do Princípio Divino - Pag. 233-234